Saiba quem foi o primeiro Belmontense a se tornar Padre

,
A HISTÓRIA DO PADRE JOSÉ PIRES DOS SANTOS BARROS
PRIMEIRO PADRE FILHO DE SÃO JOSÉ DO BELMONTE
Esta série de crônicas da História de Belmonte tem um grande objetivo: despertar em cada belmontense amante da sua terra e tradições, o interesse pela sua história. Não se caracterizará por um estudo minucioso de todos os acontecimentos de sua bonita e curiosa história secular, mas será uma tentativa de levar os conterrâneos a conhecerem mais a sua própria história. Como nos diz Santo Agostinho: “ninguém ama aquilo que não conhece.”
Pesquisava nos alfarrábios de família quando deparei com um livro litúrgico (Missal Romano editado em 1938) pertencente à professora Anita Alencar de Carvalho, e contendo no interior daquele livro uma fotografia do Padre José Pires dos Santos Barros com a memória do seu falecimento, ocorrido em 20 de janeiro de 1874.
Quem foi este sacerdote? De onde era natural?
Vindo de uma abastada família, José Pires dos Santos Barros nasceu no dia 07 de agosto de 1842 na fazenda Lagoa, Belmonte, sendo primeiro filho do casal: Jacinto Gomes dos Santos e Francisca Maria de Jesus. Foi batizado no dia 12 de outubro do mesmo ano em oratório privado na Fazenda Campo Grande, município de Floresta e teve como padrinhos Gonçalo Gomes dos Santos, seu avô paterno, e Ana Maria Diniz, sua avó materna.
Desde pequeno José Pires mostrou sinais de vocação sacerdotal. Sabe-se que nutria amor especial aos pobres. Via neles o próprio Cristo. Sempre tirava da sortida dispensa da fazenda de seus pais alimentos e levava às escondidas aos doentes e necessitados. Realizando um grande sonho na sua vida, ingressou no Seminário de Olinda onde foi ordenado sacerdote no dia 07 de dezembro de 1873, por imposição das mãos de Dom Frei Vital Maria Gonçalves de Oliveira (bispo diocesano).
Na sua primeira missa no Seminário de Olinda, o Padre José Pires fez uma bela homilia sobre o tema: o Santíssimo Sacramento, com satisfação geral dos presentes. O jovem sacerdote era estimado por todos, tanto por sua personalidade como por seu forte caráter. Não costumava fazer distinção entre as pessoas. Apenas demonstrava especial amor aos pobres. Chegou a alforriar o escravo Veríssimo que era seu pajem e acompanhante nas suas longas viagens ao Seminário de Olinda.
Nutria grande devoção ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria, o Padre José foi também um fortíssimo devoto do Patriarca São José. Uma das provas dessa devoção está no fato de o Padre José Pires dos Santos Barros se ter empenhado, profundamente, para que a festa do Patrocínio de São José nos primeiros anos da Capela de Belmonte fosse celebrada anualmente com toda a solenidade.

Contavam os antigos que a família do Padre José estava esperando-o tempos depois da sua ordenação para a celebração de missas na fazenda Lagoa e na Capela de São José de Belmonte, porém, um dia estava dona Francisca sua mãe, acompanhada de suas filhas e escravas a bordar os paramentos e toalhas para as esperadas celebrações, estavam bem próximas de uma janela da varanda da casa, quando pousou em um galho de um frondoso pé de trapiá, que ficava bem ao lado do casarão, uma garça. No decorrer dos dias que se seguiram, a garça tornava a voltar pro mesmo galho da árvore, e isto começou então a causar reações de curiosidade, espanto, admiração, receio e medo entre as pessoas da fazenda chegando mesmo a inquietá-las. Não obstante, certo dia, os latidos dos cachorros denunciaram a chegada de Veríssimo à fazenda, correram todos. A interrogação tomou conta de cada um, o escravo apareceu puxando um cavalo com a sela e sem o padre José, apenas uma carta do bispo relatando que o mesmo havia sido acometido por uma fortíssima febre, vindo a falecer no exato dia da sua viagem para o povoado de Belmonte.
Ao saber da notícia do falecimento do seu filho, o Sr. Jacinto Gomes dos Santos partira para o mato em local isolado e se recusou a receber qualquer visita que o incomodasse. Inconformados com o acontecido, todos foram então envolvidos de tamanha tristeza, até a irmã do Padre, Ana Maria (mãe Aninha) usou luto até morrer.
Não demorou muito para que o povo começasse a contar histórias a respeito de ajudas recebidas depois de orações serem dirigidas à memória do padre José.
São José do Belmonte homenageou a memória do Padre José Pires dos Santos Barros dando nome de uma rua no centro daquela cidade. Esta justa iniciativa partiu na época do Prefeito Afonso Alves de Carvalho em 1943 quando a história registrou naquele ano, 70 anos de ordenação do Padre José Pires dos Santos Barros.
Valdir José Nogueira de Moura
São José do Belmonte, fim do mês de novembro de 2019

0 comentários:

Postar um comentário