Roberto Jefferson, presidente do PTB, é preso pela PF no inquérito das milícias digitais

,

 


O presidente Nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, em entrevista a jornalistas (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

SÃO PAULO – O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson (RJ), foi preso preventivamente pela Polícia Federal na manhã desta sexta-feira (13).

A ação ocorreu em cumprimento de decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito do chamado inquérito da milícia digital – continuidade das investigações sobre atos antidemocráticos realizados em 2020.

A Polícia Federal também cumpriu mandado de busca e apreensão na residência do político, atualmente aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e que tentava levar o mandatário para disputar a reeleição por sua legenda em 2022.

Mais cedo, Jefferson publicou em rede social que a PF estava com ordem de prisão contra ele e chamou a ação de “canalhice”. “A Polícia Federal foi a casa de minha ex-mulher, mãe de meus filhos, com ordem de prisão contra mim e busca e apreensão. Vamos ver de onde parte essa canalhice”, escreveu.

Por se tratar de prisão preventiva, não há prazo estipulado para a detenção. No âmbito da mesma ação, Moraes também determinou o bloqueio de conteúdos postados por Jefferson em redes sociais e a apreensão de armas e acesso a mídias de armazenamento.

Roberto Jefferson já foi deputado federal e pivô do escândalo do mensalão em 2005, pelo qual também foi condenado pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção. Foi uma entrevista sua ao jornal Folha de S.Paulo que revelou um esquema de compra de apoio parlamentar durante o governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Desde que se aproximou de Bolsonaro, Jefferson começou a fazer postagens com armas de fogo e passou a ser defensor ferrenho do armamento da população – uma das pautas do atual presidente.

0 comentários:

Postar um comentário